Asus Zenbook Pro Duo 15 OLED e 14X OLED Space Edition chega ao Brasil

Para evitar polêmicas sobre segurança digital, a Microsoft decidiu abandonar o marketing do serviço de leitura de emoções da empresa,

que permite identificar se alguém está surpreso, triste ou feliz com um rosto.

Além disso, o dono do Windows pretende limitar o acesso do público ao Azure Face, 

programa de reconhecimento facial desenvolvido pela empresa.

A decisão foi anunciada na última terça-feira, 21 de maio, e faz parte de uma revisão das políticas éticas da empresa no uso de inteligência artificial.

O acesso dos clientes existentes será revogado em 30 de junho de 2023,

e os usuários que ainda desejam usar o serviço de reconhecimento de emoções precisarão informar à Microsoft como e onde implantarão seus sistemas.

Restrições semelhantes serão impostas ao uso do recurso Custom Neural Voice,

que permite que vozes de IA sejam criadas com base em gravações de pessoas reais.

As decisões foram anunciadas pela diretora de IA Natasha Crampton em um post para o blog da Microsoft.